Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher

25 novembro, 2008

1163789346_violencia_domestica1Tô na correria de concurseira como sempre e com alguns probleminhas (crises existenciais). Apesar da falta de tempo, vou escrever um postzinho porque este assunto é muito, muito importante. Até porque assuntos realmente importantes como este não são divulgados pela mídia.

Hoje, 25/11/2008 é o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher. Por favor, leitores e visitantes, todos vocês homens que são contra violência, por favor, assinem o manifesto fim da violência contra as mulheres.

Art. 7º da Lei Maria da Penha – São formas de violência doméstica e familiar contra a mulher, entre outras:

I – a violência física, entendida como qualquer conduta que ofenda sua integridade ou saúde corporal;

II – a violência psicológica, entendida como qualquer conduta que lhe cause dano emocional e diminuição da auto-estima ou que lhe prejudique e perturbe o pleno desenvolvimento ou que vise degradar ou controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição contumaz, insulto, chantagem, ridicularização, exploração e limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo à saúde psicológica e à autodeterminação;

III – a violência sexual, entendida como qualquer conduta que a constranja a presenciar, a manter ou a participar de relação sexual não desejada, mediante intimidação, ameaça, coação ou uso da força; que a induza a comercializar ou a utilizar, de qualquer modo, a sua sexualidade, que a impeça de usar qualquer método contraceptivo ou que a force ao matrimônio, à gravidez, ao aborto ou à prostituição, mediante coação, chantagem, suborno ou manipulação; ou que limite ou anule o exercício de seus direitos sexuais e reprodutivos;

IV – a violência patrimonial, entendida como qualquer conduta que configure retenção, subtração, destruição parcial ou total de seus objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e direitos ou recursos econômicos, incluindo os destinados a satisfazer suas necessidades;

V – a violência moral, entendida como qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou injúria.

Não se cale Disque 180 É o número de atendimento à mulher que funciona em todo o Brasil.

Links

Formas de violência doméstica contra a mulher

Campanha Homens unidos pelo fim da violência

Homens unidos pelo fim da violência

Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres

Campanha Laço Branco

Campanha violência contra mulher

Campanha 16 dias

Colectivo Feminista

A Lola e a Elyana sempre escrevem denunciando a violência contra a mulher, explorem seus blogs, são recomendadíssimos: Escreva Lola Escreva e Rosa e Radical.

Lila

Anúncios

Sarah Palin encarna um novo feminismo, dizem eleitoras

22 setembro, 2008

Gostaria de escrever bem mais aqui, de ter atualizações todos os dias, mas tô numa correria de concurseira e tá difícil. Hoje vou transcrever um matéria do El Pais sobre a Palin, que saiu no UOL e era restrito para assinantes, mas acho que tem que ser divulgada, por isso coloco-a na íntegra. Depois posto os meus comentários sobre a matéria.

El Pais: Sarah Palin encarna um novo feminismo, dizem eleitoras

A candidata à vice-presidência dos EUA anima o debate sobre os valores que as mulheres devem defender na política

Mónica C. Belaza
Em Washington

“Você é como nós”, gritam as fãs de Sarah Palin nos comícios, enquanto seguram o batom no alto como se fosse um isqueiro em um concerto. A candidata republicana à vice-presidência dos EUA não se parece com outras mulheres que chegaram a posições de poder. Ex-rainha de beleza, ultraconservadora com cinco filhos, aspecto de bibliotecária, voz de passarinho, credenciais acadêmicas medíocres e governadora de um estado exótico como o Alasca, se autodefine como uma “hockey mom” – uma mãe dedicada, das que levam os filhos às competições esportivas.

Mulheres seguram batons durante comício de Sarah Palin, em Golden, no Colorado

É um espelho no qual a mulher média pode se refletir. Mas é contra postulados básicos do feminismo, como o aborto, inclusive no caso de violação e incesto. É bom que uma mulher alcance um dos cargos mais poderosos do planeta, sejam quais forem suas convicções? O debate está em brasa. Não há acordo sobre se sua figura é um insulto à essência do feminismo ou uma inspiração grandiosa.

Palin, 44 anos, é a segunda mulher que surge nesta campanha presidencial. Hillary Clinton foi derrotada nas primárias democratas, mas conseguiu 18 milhões de votos, um êxito sem precedentes. Quando Palin entrou em cena – como golpe de efeito necessário para revitalizar a preguiçosa candidatura republicana -, colocou-se imediatamente como herdeira natural de Clinton, apesar de que durante as primárias a tivesse qualificado de “chorona” por falar de sexismo. Agora a elogia enquanto se nomeia a encarregada de quebrar “de uma vez por todas” o telhado de vidro, a barreira invisível que, segundo as teorias de gênero, impede que as mulheres alcancem os postos de maior responsabilidade.

As mulheres conservadoras não costumam se identificar como feministas, movimento que muitas vezes desprezaram. Mas as defensoras da governadora não só não recusam o termo como tentam apropriar-se dele. Afirmam que ela encarna um novo feminismo, melhor. O das mulheres fortes e capazes de tudo, independentemente de suas crenças. A própria Palin é membro de uma associação contra o aborto chamada Feministas pela Vida. Para o movimento feminista herdeiro dos anos 1970, seja qual for sua ramificação, um feminismo antiaborto é simplesmente um paradoxo.

Sua autoproclamação como representante de todas as mulheres foi contestada furiosamente. Gloria Steinem, conhecida feminista seguidora de Clinton, publicou uma crítica feroz à candidata republicana no “Los Angeles Times” na qual afirmou que “a única coisa que Palin tem em comum com Hillary Clinton é um cromossomo”. “Feminismo não significa que uma mulher concreta encontre um trabalho”, prosseguiu. “É sobre tornar mais justa a vida das mulheres de todos os lugares. Palin se opõe a quase tudo o que Clinton defendia, enquanto Barack Obama ainda o defende.” E concluiu salientando que protestar pela derrota de Clinton votando em McCain e Palin “seria como dizer ‘alguém roubou meus sapatos, por isso vou amputar minhas pernas'”.

Steinem não foi a única a reagir. Um bom número de feministas está há duas semanas se pronunciando contra Palin. Criticam várias questões. A primeira, a própria natureza da nomeação da governadora, com pouca experiência. Afirmam que é uma falta de respeito pensar que, necessariamente, as mulheres vão votar em outra mulher. Em segundo lugar, dizem que o feminismo não é qualquer coisa, mas um movimento que defende certos princípios – como o direito ao aborto, a educação sexual ou a igualdade de direitos para todos, incluindo os homossexuais – e que o conservadorismo religioso e extremo de Palin impede que possa ser qualificada como tal. E finalmente algumas indicam que sua forma de vida, empenhando-se no trabalho como foi concebido pelos homens e renunciando inclusive às licenças-maternidade – voltou ao emprego apenas três dias depois do nascimento de seu bebê com síndrome de Down -, não tem nada a ver com o que elas reivindicam.

Mas entre as que se consideram feministas tradicionais surgiram algumas vozes discrepantes em blogs e jornais. Mulheres defensoras do aborto e da educação sexual afirmam que, embora Palin tenha idéias contrárias às suas em alguns pontos, o importante é que uma mulher chegue a um cargo tão alto quanto a vice-presidência dos EUA. Por vários motivos: pela visibilidade, porque será um modelo para as novas gerações e porque, mesmo que seja conservadora, é uma mãe trabalhadora que conhece os problemas das mulheres para conciliar trabalho e família.

A esta última teoria se somaram algumas seguidoras de Hillary Clinton. Nayeli Salvaraj tem 30 anos, uma filha e vive no norte da Virgínia. Em todas as eleições até agora votou no Partido Democrata. “Sou a favor do aborto, mas não é o centro da minha vida. Eu quero que uma mulher chegue à Casa Branca e meu partido falhou em relação a Hillary Clinton quando não a nomeou vice-presidente. Foi sexista. Por isso votarei nos republicanos pela primeira vez, em Sarah Palin.”

Na rua, a maioria das mulheres não entende de teorias feministas nem parece se importar se pode catalogar Palin como tal. Suas defensoras dizem que, feminista ou não, ela é forte, inteligente e exemplar. Sobretudo é uma mulher que se parece com elas. E querem que ela chegue ao poder. O batom se transformou em uma espécie de grito de guerra, um símbolo de identidade. “É como se eu pudesse mandar na Casa Branca”, disse Shirley Honcock, 67 anos, em um comício de McCain e Palin em Fairfax (Virgínia). “Ela fará as coisas que eu gostaria de fazer.”

É uma idéia repetida. Diante de um Barack Obama inteligente demais, com um passado estranho e que estudou em boas universidades, se situou uma mãe comum não muito instruída, mas com muito empenho. Nas cidades de subúrbio com residências unifamiliares, veículos todo-terreno e shopping centers, muitas chegaram à conclusão de que a melhor qualidade para dirigir o país é o senso comum de qualquer mãe de família. “Se não é isso que as feministas querem, não entendo nada”, diz uma mãe que se define como republicana, enquanto faz compras em um K-Mart da Virgínia com seus trigêmeos de 6 anos. O rosto de Sarah Palin ocupa as capas das revistas do supermercado. “É uma revolução. Uma mulher tradicional que decidiu mandar.”