Agora é encarar o TRT – GO

10 outubro, 2008

Socorro, não estou sentindo nada… Nesse momento me vem à cabeça essa música, como a conheci, na voz de Gal Costa. Domingo tenho concurso para o TRT 18ª Região – Tribunal Regional do Trabalho, região de Góias. Ao contrário de outros concursos, não fiquei uma pilha de nervos nos dias anteriores. A prova é daqui a dois dias e não estou ansiosa, nervosa, nada.

Definitivamente, eu sou de lua, pois, como disse no último parágrafo desse post meu padrão era ficar nervosa nos dias anteriores e bem calma no dia da prova. Será que o dia da prova vai ser igual à prova do STJ, em que vou estar nervosa fazendo a prova? A diferença é que para o concurso do STJ, fiquei nervosa durante toda a semana anterior, ansiosa, irritada, com insônia. Dessa vez, nem insônia tive.

Meu namorado, que é super racional no dia a dia, nessas horas fica supersticioso. Na dia da prova do STJ, liguei para ele e falei que, diferente das outras vezes, dessa vez estava nervosa, e ele falou: Sinal que você vai se dar bem. Agora, quando falei que não tive nenhum “sintoma” de ansiedade nos últimos dias, ele disse somente: Que bom!

E tem outra, se for nomeada no TRT, terei que me mudar para Góias, provavelmente para Goiânia. O Faber já disse que vai junto. E para isso, teremos que nos casar. Já temos 2 anos e meio de namoro e amigos e familiares vivem jogando indiretas. A essas cobranças, o Faber sempre responde: “está mais perto que longe.” Aliás, estamos só esperando eu ser aprovada em algum cargo, para marcarmos a data.

Usamos alianças de compromisso desde os 6 meses de namoro, aí está a foto do dia que as compramos. Se tivermos que ir para Goiânia, seriam algumas mudanças bem grandes: geográfica, de ocupação e de estado civil.  Gosto de Goiânia mas AMO Brasília, tenho muito mais elogios que críticas a essa cidade, já moro aqui há 9 anos, sei me virar muito bem aqui. Lá seria o início de novas rotinas, um novo ciclo em nosas vidas.

Lila

 


TPC: tensão pré concurso

24 setembro, 2008

Estou à beira de um ataque. Tenho prova de concurso domingo. E só consigo pensar o quanto ainda tem coisa pra estudar ( o edital era enorme), que ainda tem coisas que quero revisar, que não estudei o suficiente. Estou muito irritável e sem paciência. Tensa, com insônia e dormindo mal.

E para piorar sou do tipo que costuma descarregar tensões emocionais na comida. Tenho comido muito e estou com uma vontade incontrolável de comer doce, sorvete, chocolate. E um sorvete cai muito bem, já que aqui em Brasília costuma fazer, em torno 32°C todo dia, com umidade relativa do ar ficando em torno dos 14% ! (Acredite)

Nem precisa dizer que não consegui estudar direito por causa das condições climáticas, me dava dor de cabeça, cansaço, indisposição. Tô acostumada a altas temperatura, o problema é a secura, ventilador ligado o dia todo, muita água e nada resolve. Mas quem disse que na minha cabeça isso é uma explicação plausível? Não, minha mente – que gosta de me boicotar, fala que isso é desculpa.

E vida de concurseira é assim, já estou pensando nos próximos concursos e cursinhos. Ajudaria muito se eu me cobrasse menos, mas quem disse que isso é fácil? Tento racionalizar que estou fazendo o possível, mas lá vem aquela maldita culpa me perseguindo. Nos dias que estudo pouco (umas duas horas) sempre fico culpada. Se estudo só à tarde, me penitencio por não ter estudado à noite.

Culpa é uma coisa bem feminina né? Nós sentimos culpadas por tudo: se engordamos 200g, se aparece uma espinha no nariz, se o filho apronta alguma, se nosso corpo não é igual ao das capas de revista (mesmo sabendo que há muito photoshop e que não podemos malhar 3 horas por dia), se brigamos com o namorado/marido,  se existe o fenômeno do aquecimento global…

Não sei se tem a ver com uma culpa inconsciente pelo tal do mito do pecado original que jogaram em nossas costas, o fato é que parece que carregamos em nossas testas: Mulher=culpada.

Lila