Harry Potter e as Relíquias da Morte: “Tempos difíceis estão por vir, Harry.”

22 novembro, 2010

Tempos difíceis estão por vir, Harry.” Era assim que começavam vários trailers da série de filmes Harry Potter.

Durante seis filmes, sempre ouvíamos o mantra que tempos difíceis estavam por vir, e finalmente eles chegaram, e de uma forma que os fãs dos filmes não poderiam imaginar.

No quinto filme perdemos Sirius Black, padrinho e única pessoa que Harry Potter podia chamar de família. E no sexto filme tem a morte do diretor de Hogwarts  Alvo Dumbledore, o mentor de Harry.

Tempos sombrios é sem dúvida o mote do Harry Potter e as Relíquias da Morte.

Nesse Relíquias da Morte parte 1 os protagonistas vão ter de passar por várias provações, vão ter que viajar por toda a Inglaterra atrás de respostas e pistas que podem levar a perigos ainda maiores.

A direção de fotografia e as locações são perfeitas, pois junto com a atuação dos atores – principalmente do trio de protagonistas que amadureceu muito nesses 10 anos de filmagens – nos transmite a sensação de medo, insegurança e o desespero que o domínio de Voldemort impõe a todos do universo Harry Potter.

*Claro que este filme não poderia ter o encanto dos primeiros nem ter alívios cômicos pois o aumento da tensão é um chamariz para o capítulo final da saga.

Hogwarts não é mais um lugar seguro, agora está sendo comandado a mão de ferro pelo Snape, portanto permanecer lá se tornou inviável. Ficar junto com a família e amigos só traria mais sofrimento pois as perdas são sempre grandes, basta lembrar que no último filme Dumbledore morreu na frente de Harry.  Outros personagens virão a perecer, e isso é um ponto a favor da escritora e do diretor que não tem medo de causar comoção.

Para os fãs que cresceram com a série o amadurecimento é normal e com certeza está sendo esperado ansiosamente há anos por todos. Para quem se encantou pelo primeiro filme e viu naquelas crianças a entrada para um mundo novo agora se depara com o desenrolar por vezes trágico e por que não dizer sombrio.

Voldemort e seus aceclas implantam um governo de terror no qual qualquer que não tenha “sangue puro”, isto é que não seja descendente direto de genitores bruxos, pode ser catalogado, interrogado, torturado, preso ou morto pelo Ministério da Magia ou pelos comensais da morte.

Ver Voldemore se dar bem e acabar com a harmonia entre mundo dos bruxos e dos trouxas é uma realidade. Não por acaso muitas das atitudes lembram as do exército nazista, onde interrogar, torturar e matar eram uma constante.

A única esperança recai sobre as costas de um menino que por vezes é tratado como um messias, por outras é uma lenda.

E no fim ele será apenas mais um a desafiar as forças do Lord das Trevas. O final muitos já sabem, no entanto a trajetória de dificuldades e de redenção é o único caminho para um fim, que o que indica esta primeira parte, deve ser épico.

No quesito adaptação foi quase perfeito, talvez a melhor até agora, seguindo a risca o livro, a se lamentar, na minha opinião (Faber), apenas a insistência do diretor de colocar uma tensão amorosa entre Harry e Hermione, que não existe e que por vezes engana de forma eficaz aqueles que não acompanharam os livros e estão vendo apenas os filmes.

Eu, Lila, concordo que foi a melhor adaptação de livro da série da J.K. Rowling até agora. E acho que o diretor não força uma aproximação romântica entre Potter e Hermione mas sim mostra relação deles do ponto de vista dos ciúmes do Rony.

*Eu já acho que o filme tem sim seus alívios cômicos como no início do filme em que vemos os 7 Harry Potter’s ou quando a esposa de Cattermole beija Rony ou ainda quando Harry diz para Rony: “continue falando para ela da bola de luz que entrou em seu coração.”

No sábado após assistir ao filme disse que daria para ele nota 10. Mas vou mudar a nota para 9,5 porque faltou explicar a azaração Tabu que torna qualquer pessoa que pronuncie o nome do Voldemort rastreável. No livro, foi assim que Harry, Rony e Hermione foram encontrados pelos comensais da morte na lanchonete em Londres e na floresta por Greyback e os raptores.

Essa parte 1 nos deixa na pilha para assistir a continuação. Mas sim, faltou um teaser da parte 2 no final do filme. Acho que a maioria das pessoas que foram ao cinemas é fã, senão dos livros, pelo menos da saga de filmes.

Porém, os produtores poderiam ter aguçado ainda mais o nosso desejo de “quero mais” se houvesse uma cena pós créditos, um teaser ou mesmo um trailer da parte 2 ao final do filme. O que não tira o mérito da excelente adaptação mas seria a cereja do bolo ou a cobertura do sundae 🙂

Obs.: Não somos cineastas nem críticos de cinema. Somos apenas dois aficcionados por filmes e cultura pop.

Nota do Faber para o filme: 9,0.

Nota da Lila para o filme: 9,5.