Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher

25 novembro, 2008

1163789346_violencia_domestica1Tô na correria de concurseira como sempre e com alguns probleminhas (crises existenciais). Apesar da falta de tempo, vou escrever um postzinho porque este assunto é muito, muito importante. Até porque assuntos realmente importantes como este não são divulgados pela mídia.

Hoje, 25/11/2008 é o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher. Por favor, leitores e visitantes, todos vocês homens que são contra violência, por favor, assinem o manifesto fim da violência contra as mulheres.

Art. 7º da Lei Maria da Penha – São formas de violência doméstica e familiar contra a mulher, entre outras:

I – a violência física, entendida como qualquer conduta que ofenda sua integridade ou saúde corporal;

II – a violência psicológica, entendida como qualquer conduta que lhe cause dano emocional e diminuição da auto-estima ou que lhe prejudique e perturbe o pleno desenvolvimento ou que vise degradar ou controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição contumaz, insulto, chantagem, ridicularização, exploração e limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo à saúde psicológica e à autodeterminação;

III – a violência sexual, entendida como qualquer conduta que a constranja a presenciar, a manter ou a participar de relação sexual não desejada, mediante intimidação, ameaça, coação ou uso da força; que a induza a comercializar ou a utilizar, de qualquer modo, a sua sexualidade, que a impeça de usar qualquer método contraceptivo ou que a force ao matrimônio, à gravidez, ao aborto ou à prostituição, mediante coação, chantagem, suborno ou manipulação; ou que limite ou anule o exercício de seus direitos sexuais e reprodutivos;

IV – a violência patrimonial, entendida como qualquer conduta que configure retenção, subtração, destruição parcial ou total de seus objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e direitos ou recursos econômicos, incluindo os destinados a satisfazer suas necessidades;

V – a violência moral, entendida como qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou injúria.

Não se cale Disque 180 É o número de atendimento à mulher que funciona em todo o Brasil.

Links

Formas de violência doméstica contra a mulher

Campanha Homens unidos pelo fim da violência

Homens unidos pelo fim da violência

Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres

Campanha Laço Branco

Campanha violência contra mulher

Campanha 16 dias

Colectivo Feminista

A Lola e a Elyana sempre escrevem denunciando a violência contra a mulher, explorem seus blogs, são recomendadíssimos: Escreva Lola Escreva e Rosa e Radical.

Lila



Obama vence e o racismo dá as caras

18 novembro, 2008

november-4-20084Essa montagem vocês já devem ter visto em vários blogs, mas resolvi colocar aqui também, por seu impacto e representatividade. Achei o link do autor é o Patrick Moberg. Comecei a escrever este texto em 09/11/2008. Era um texto para celebrar a eleição de Obama, mas depois de ler na net tantos comentários preconceituosos sobre ele, tive também que tocar no assunto racismo. Se vocês lerem os comentários dos posts  nos links, comprovarão isso. Foram tantos coments ofensivos que fiquei 9 dias sem escrever, digerindo tudo. Isso também aconteceu com o caso Eloá, em que fiquei 3 semanas sem escrever. Estava tão chocada com o crime, o julgamento machista sobre a conduta das moças, a vitimização de seu algoz “só um jovem apaixonado, coitado”, a cobertura sensacionalista da imprensa, o desrespeito e falta de empatia pelo sofrimento das vítimas que aquilo tudo me bloqueou a vontade de escrever.  Enfim, vamos ao post:

obama83Uhul! Yes, we can! Obama Wins! 🙂 Assim que me senti quando anunciaram o resultado das eleições norte-americanas. Foi com alívio que recebi a informação que Obama tinha ganhado. Mas sinceramente, eu já sabia, mesmo acompanhando bem de longe, havia um clima no ar que não me deixava dúvidas. O mesmo clima de quando Lula venceu em 2002. Sinceramente, achava que nem com toda as fraudes do mundo os republicanos levavam essa. Bush Jr já é considerado o pior presidente americano de todos os tempos  É com otimisto que vejo esta eleição de Barack Obama. Li muito sobre as eleições americana nos últimos dias e acho fantástico o fato de um país que era declaradamente racistas até pouco tempo, eleger um negro presidente. E  em 04/11/2008 se fez História com H maiúsculo.

obama-hopeSou otimista que Obama fará um governo diferente pela história de vida dele, pelos projetos e votações dele no Senado, pelos discursos firmes durante sua campanha, por acenar com a possibilidade de conversar com países considerados inimigos, inclusive Cuba, pelo fato de pertencer uma minoria – apenas 13% dos americanos são afrodescendentes, aqui no Brasil são eles são pelo menos metade da população. Mas é claro que não acho que ele seja uma espécie de super homem, muito menos o salvador da humanidade, como sugerem por aí os detratores, para desqualificar sua vitória. E que ninguém se iluda, como todo presidente americano é claro que ele vai defender os interesses dos EUA em primeiro lugar (a diferença é que ele parece preocupado com o interesses do povo  americano também), o que aliás é a preocupação que todo presidente deveria ter com sua própria população.

Infelizmente nem tudo é alegria após a vitória de Obama, já há gente contestando, dizendo que ele não é negro. Ora, isso é de uma desinformação ou mesmo má fé enorme, o Caetano falou issoA Ku Klux Kan também. Parabéns, Caetano, você está em ótima companhia.

the-obama-family_443x4001

Será possível que vão querer embranquecê-lo? Será que todo afro-descendente de sucesso vai ter que ouvir sempre “ah, mas você não é (tão) negro assim, você é moreno, é mulato”, etc. Não que isso seja essencial para a pessoa que é ele, o caráter  ou a competência que tenha, mas não queiram apagar a identidade dele. Obama é negro, sua esposa é negra, suas filhas são negras, ponto. Interessante ver que a eleição de Obama reacendeou o debate sobre o racismo no Brasil e que aqui, dizem, o preconceito não é racil, é social. Mentira, papo furado, bullshit. Embora seja necessário ser afrodescendente para sentir na pele o racismo, não preciso ser negra para saber que ele é existe e que é odioso e hipócrita.

posl04_obama08033Olhem bem para esta foto, vocês todos que são contra as cotas nas universidades. Obama e amigos sentados no que parece ser a escadaria de uma universidade, perceberam que ele é o único negro? Não sei se ele valeu de ação afirmativa específica para entrar na faculdade, porque a família da sua mãe tinha dinheiro, mas sua esposa, de família pobre, muito provavelmente precisou. E, não, cota não é racismo às avessas, não é afirmar que o negros são menos inteligentes, é sim, constatar, que até hoje há uma enorme desigualdade social e infelizmente esta atinge mais os negros.

obama-e-micelleO que é racismo? Segundo a ex-Ministra da Secretaria Especial da Presidência da República para Políticas de Promoção da Igualdade Racial Matilde Ribeiro: “Racismo é quando uma maioria (étnica) econômica, política ou numérica coíbe ou veta direitos de outros”. Navegando pela net este mês, encontrei vários gênios por aí dizendo: “Racismo, não existe porque não existem raças, somos todos da raça humana” ou “Racismo no Brasil é burrice, porque aqui somos todos miscigenados”.

Oh, Really? Agora conta aquela do papagaio. Vem cá, vocês acabaram de descobrir a América também, né? É ÓBVIO, para qualquer um minimamente informado que raças, no sentido génético da palavra, não existem entre os humanos. Mas existem diferenças étnicas e identidades culturais. Como diz a Conceição do blog Maria Afro: “A negritude também passa pela identidade, pelo auto-reconhecimento. Mas o nosso racismo não liga para esses pormenores: ele atira e depois pergunta, ele segrega na calada da noite, ele veta os bancos das universidades e os altos cargos executivos, ele mata pela ausência de políticas públicas na saúde, ele esconde o rosto negro da televisão ou quando o mostra, representa-o sempre nos velhos e estereotipados moldes…” É por isso, que faz sentido discutirmos racismo até porque ele existe e é crime inafiançável e imprescritível, escondê-lo ou ignorá-lo só piora a situação.

“Uma sociedade que tomou medidas especiais contra o negro por centenas de anos deve agora tomar medidas especiais para ele, para prepará-lo para competir em bases iguais e justas” (Where we go from here) Martin Luther King. Mas racismo e cotas devem ser tratadas em outro(s) post(s), com maior profundidade, análise jurídica e social, etc (até porque não consigo escrever pouco mesmo). Diante dos fatos e dos pensamentos racistas não se pode dizer que o preconceito é apenas social, o preconceito é TAMBÉM social, mas sobretudo é racial. Um branco que ascende socialmente nunca será impedido que entrar em restaurante chique, ou será parado numa blitz pelo simples fato de estar dirigindo um carro velho ou novo – que não seja popular – e baseado unicamente em sua cor, ser considerado suspeito.

Lila

Links:

Barack Obama eleito presidente dos Estados Unidos. Nasce um estadista

Racismo Wikipedia

Caetano cada vez mais gagá

Eu vi a história acontecer ou sobre-tudo-e-sobre-o-mesmo

Porque o Obama não é mulato

Eu tenho um sonho: Obama eleito presidente dos EUA

Judith Butler sobre a eleição de Obama

O Sorriso de Obama

Promessas que Obama não cumprirá, 1 de 3

Promessas que Obama não cumprirá, 2 de 3

Promessas que Obama não cumprirá, 3 de 3

Barack Obama é o novo presidente dos EUA

A direita antiintelectual entra em crise

Obs.: Achei tão estranho esse “antiintelectual”, dá vontade de por um hífen ali, isso é alteração da reforma ortográfica, ou já era assim mesmo?

E a Lola redigiu vários posts sobre a vitória de Obama

Viva Obama!

Meu presidente é negro

O Único

Obama e as mulheres

Vale a pena ver de novo: a esperança venceu o medo


O espaço a fronteira final…

16 novembro, 2008

startrek_30Siiiiiiiiiim nerds de toda blogosfera, está chegando o novo filme da franquia  Star Trek ou Jornada nas Estrelas. Depois de insucessos com a nova geração, estão recomeçando a série no cinema. Desta vez Kirk e Spock terão suas origens na Federação dos Planetas contadas. Então é esperar pela data estelar, digo pela data de 8 de maio de 2009.

Sinceramente espero muito dessa adaptação de JJ Abrams, produtor de LOST, pois os fãs merecem um recomeço a altura de tudo que significa Jornada nas Estrelas para o cinema de ficção científica. Para dar água na boca, um trailler gravado antes da exibição de 007 Quantum of Solace. Paz e prosperidade.

Faber


Eleições 2008 II + Enquete: O voto deve ser obrigatório no Brasil?

15 novembro, 2008

vota-brasil Para começar, devo dizer que não tenho opinião formada quanto a isso. Eu, que sou uma palpiteira de plantão, que tenho opinião sobre tudo, não consigo me decidir. Vale lembrar que o voto obrigatório não é cláusula pétrea da Constituição Federal (CF) de 1988. A grosso modo, cláusulas pétreas são disposições constitucionais que não podem ser objeto que emenda que acarretem a extinção do direito ou da matéria por elas tratadas.

Exemplificando, o artigo 14, páragrafo 1º da nossa CF, prevê:

“Art. 14 – A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos …

§ 1º – O alistamento eleitoral e o voto são:

I – obrigatórios para os maiores de 18 anos;”

Mas em seu artigo 62 – que trata das cláusulas pétreas – inciso III, parágrafo 4º, nossa CF dispõe:

“§ 4º – Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir:

II – o voto direto, secreto, universal e periódico;”

Observa-se que o art. 62 não impõe a obrigatoriedade do voto como cláusula pétrea. Conforme a interpretação majoritária, isso significa que poderá haver emenda contitucional que torne o voto facultativo no Brasil.

Vou postar um argumento contra e um a favor, sobre o voto facultativo:

1) Contra: estivemos, em nosso passado recente, em uma ditadura, em que diversos direitos políticos foram cassados ou suspensos, por decisão dos ditadores. Nossa democracia é muito recente, só em 1989 tivemos nossa 1ª eleição direta após 25 anos de ditadura e de eleições indiretas. Assim, a população não estaria amadurecida para participar do processo eleitoral se o voto fosse facultativo.

Há quem diga que, se o voto fosse facultativo, os que não participaram do processo eleitoral também não poderiam se manifestar sobre o governo, é um pensamento do tipo: “Se você não votou, não se manifestou sobre o destino político de sua cidade, estado ou país, não tem o direito de falar contra o governo, porque você se omitiu”. Não sei, acho que opiniões como essas seriam cerceamento de liberdade de expressão. Porque, a pessoa não votou, mas também paga impostos e pode por isso também opinar sobre o governo, afinal, o governa-se para todos, votantes ou não.

2) A favor: Tendo em vista a enorme desigualdade social no Brasil, que se faz mais presente em regiões mais pobres e no interior, talvez, se o voto fosse facultativo, os políticos se empenhariam mais com suas cidades, regiões e bases eleitoriais. Será que não haveria uma conscientização maior por parte dos próprios políticos a seus eleitores sobre o poder e o valor do voto? Claro que ainda haveria promessas de campanha, mas considerando uma maior conscientização, será que o povo não iria cobrá-las com mais afinco, e mais delas seriam cumpridas?

Sinceramente, acho que ainda que o voto fosse facultativo, ainda assim haveria compra de votos. E acho que as quantias oferecidas cresceriam, não seriam mais vendidos votos por trinta reais, mas por valores bem mais altos.

Bem, pode-se dizer que, na prática o voto já é facultativo. Pode-se ir em outra seção eleitoral e justificar. Mesmo se a pessoa ficar 3 eleições sem votar e correr o risco de ter seus direitos políticos suspensos, e ainda não poder tomar posse em concurso público, é só correr na justiça eleitoral e pagar uma multa de R$ 10 e pronto, fica regularizado.

Atenção! O prazo para justificar, perante a justiça eleitoral, a ausência de voto no 1º turno vai até 4 de dezembro.

Link: Não votou e não justificou? Saiba o que fazer.

PS: agora que percebi que hoje é a data da Proclamação da República.

Lila

Enquete


Eleições 2008 parte I

5 novembro, 2008

1º peço mil desculpas à minha meia dúzia de leitores pela escassez de posts, é que fiz 3, eu disse três concursos seguidos: STJ, TRT e Ministério da Saúde. Minha vida nos últimos meses foi estudar.
2º Bem que eu queria ter postado antes, mas minha internet está um c*. Sério, quem me conhece pessoalmente sabe que eu nunca falo palavrão, mas essa merece. Tem uma semana que minha conexão, supostamente banda larga, está uma merda. Ontem foi o cúmulo, ficou o dia inteiro “fora do ar” e só voltou às 11 da noite (ou 23h, como queiram). Agora o post:

Este ano eu não votei. Se alguém já leu outros posts, deve se lembrar que eu moro em Brasília e que aqui não tem eleição municipal. Agora surprise: meu título ainda é de Formosa (GO), cidade em que morava antes, a 70 Km de Brasília. Só que, por mais politizada que eu seja este ano resolvi justificar, explico: o 1º turno das eleições foram no dia 05/10 e minha prova era em Goiânia no dia 12/10.

Além de preferir ficar estudando, houve outro motivo, em Formosa eram 5 candidatos: 1 do PSDB, 1 do DEM, 1 do PP, 1 do PR e 1 do PT. Sabendo que sou esquerdista, você, leitor poderia dizer: mas havia um candidato do PT. É, e ele foi eleito deputado estadual na eleição de 2002 e nada de concreto fez de oposição ao ex-governador Marconi Perillo (eca) do PSDB. Fora os boatos que rolam lá em Formocity sobre esse candidato que prefiro nem citar, porque é barra pesada.

Além das eleições formosenses, outra eleição que acompanho de perto é a eleição de *** (vou omitir o nome da cidade) interior da Bahia, cidade natal dos meus pais. Acho que *** deve ser uma das cidades mais politizadas do Brasil, toda vez que a visitamos, não importa a época do ano ou em que ano estamos, se é ano eleitoral ou não, a conversa que todas as rodas de amigos e familiares é quase sempre a mesma: a política municipal e em bem menor escala, a política federal.

Durante muitos anos *** teve um homem que mandava na política, saía prefeito, entrava prefeito, ele continuava lá, sempre como tesoureiro da prefeitura. Nem preciso dizer que esse homem é riquíssimo e que durante 20 anos praticou corrupção com as verbas municipais. Em 2000, o Hômi se candidatou a prefeito e ganhou. Fez uma péssima administração, nada fez pela cidade, seu patrimônio, no entanto, cresceu a olhos vistos. Para se ter uma idéia de quão péssima foi o mandato dele, ele nem conseguiu se reeleger, com a máquina administrativa na mão e tudo.

O comentário geral na cidade era: ele nunca deu nada p/ ninguém – e infelizmente, é assim que se faz política no interior do Brasil. Sei que muitos que me lerem vão dizer: é assim que se faz política no resto do Brasil também. Nem tanto, em cidades maiores, há mais controle, há oposição de verdade, há o Ministério Público em cima. Já no interiorzão, salvo raras e honradas exceções parece que só há um jeito de se fazer política: o deturpado “é dando que se recebe” ou o famoso “o quê que eu ganho com isso?”

Na eleição de 2004, o Hômi foi derrotado. Um rapaz corajoso aproveitou a ausência de foro privilegiado dele e o denunciou ao Ministério Público e ao TCU. Apesar de, como último ato do governo, ter comprado os vereadores, para aprovarem suas contas, o Hômi está pagando parte de seus desvios financeiros, com ressarcimentos mensais. Escapou por pouco de ser preso.

Entrou um novo prefeito, ex-aliado do derrotado e algumas coisas mudaram. Ele fez algumas obras, investiu os recursos federais repassados. Exigia nota fiscal das compras e despesas na prefeitura, motivado, provavelmente, pelo medo de também ser processado. Algo mudou na cidade, havia até um clima mais leve no ar.

Vieram as eleições de 2008, e tanto o atual prefeito quanto o anterior eram candidatos. Estive em *** em junho e a campanha estava a pleno vapor. A grande maioria dos eleitores parecia estar ao lado do atual prefeito. Na porta da casa do prefeito, uma multidão, na porta do anterior, quase ninguém. Até a véspera do pleito, eram favas contadas: o prefeito iria conseguir se eleger.

Só que, no dia da eleição, aconteceu algo inesperado: a virada. E porque isto se deu? Compra de votos. O comentário de quem mora lá é que o ex-prefeito que estava tentando voltar ao poder pagou R$ 30, veja bem, a módica quantia de trinta reais para quem quisesse vestir sua camiseta (boca de urna) e votar nele.

Infelizmente, pareceu o povo esqueceu o desastre que foi seu mandato anterior, a corrupção e outras histórias escabrosas que contam dele e vendeu seu voto por R$ 30. E infelizmente, para uma parte da população isso é dinheiro e motivo suficiente para eleger um corrupto. Depois dessa, quem disser que programas assistenciais são esmola, não deve conhecer a realidade da maioria da população brasileira.

Lila


House 5×05 – Lucky Thirteen

1 novembro, 2008

Primeiramente gostaria de pedir desculpas, pela demora na resenha do episódio 5 desta temporada de House, pois os últimos dias foram muito corridos, trabalhando direto e sem tempo pra sentar e ver um bom filme, ou episódio de nossa série médica favorita.

O que você faria se tivesse pouco tempo de vida? Pediria demissão? Sairia gritando?
Ia pra balada todos dias, usava drogas e bebia descontroladamente? Saia do armário? Se mataria antes que fosse chegada a hora? Para a 13 com certeza algumas dessas hipóteses seriam aplicáveis. Eis que começa a nosso episódio.

A 13 está numa torturante contagem regressiva pois foi diagnosticada uma síndrome incurável, mesmo para House e resolveu chutar o balde, não tem nada a perder, o que vier é lucro. Como podem ler ela foi o foco deste episódio e sinceramente gosto muito quando isso acontece.

Sinceramente não deve ser fácil manter os pés no chão, e alguém que trabalha pro House com certeza não deve ter nenhum deles presos a nada. Enquanto a 13 tentava curar sua ficante a série mostrava que não tem preconceitos (diga-se de uma forma tocante), House estava mais preocupado em saber o que tinha feito Wilson em segredo. Mais uma vez o detetive particular foi convocado pra desvendar o que estava sendo escondido.

Após inúmeros exames, a insistência da 13 e claro a perspicácia de House descobriram que a paciente estava melhor que imaginavam e conseguiram curar. Também merecem  menções honrosas o fato de Foreman descobrir que é um chato e que nem House encontrou nada de realmente interessante que ele tenha feito desde os 17 anos.

O que Wilson estava escondendo, não vou contar, vejam o episódio, posso adiantar só que é algo que vai mexer com a vida de Cuddy.